MINISTÉRIO FAMÍLIA - CEI ARARUAMA

Resgatando o valor da Família... Sejam bemvindos!

SEJA BEM VINDO PR. JAIRO MONTEIRO - O CEI Araruama recebe seu novo líder com grande alegria!

Com grande carinho, o Ministério família do CEI Araruama, recebe e regozija-se com esta mudança e sabemos, sem dúvida, que o Pr. Jairo foi comissionado por Deus para estar conosco neste grande desafio!
Em nosso coração surge então, como uma alegoria, a figura de Josué...




a) Josué servo ou discípulo de Moisés (v.1). Antes servira a Moisés com fidelidade (Êx 24.13; 33.11), agora é o momento de ser elevado à categoria de ‘ebed Yahweh. Josué não será mais conhecido como mešārēt Mōsheh, isto é, o “servidor de Moisés”, mas 'ebed Yahweh'. Há uma estreita relação entre os termos’ebed e mešārēt, mas nestes versículos são usados para distinguir o relacionamento de Josué com Moisés e de Moisés com o Senhor Deus.

O susbtantivo 'ebed' sobrepõe-se ao termo mešārēt não tanto pelo seu valor semântico, mas pelo sentido lírico que o literato dá ao vocábulo. O relacionamento de Josué para com Moisés não é semelhante ao relacionamento de Moisés com Deus. Somente depois de tornar-se ‘ebed Yahweh é que Josué estaria apto para atravessar o rio Jordão com todo o povo de Israel. Primeiro, a comissão, depois a missão. Infelizmente, alguns querem executar a missão sem primeiro serem comissionado por Deus.

b) Josué é o novo profeta de Israel – o Senhor fala a Josué, assim como falava com Moisés. Na condição de “servo de Deus”, no lugar de Moisés, Josué também assume a responsabilidade de ouvir a vontade de Deus e transmiti-la ao povo de Israel, na qualidade de servo e na condição de profeta de Deus. Assim, Josué à semelhança de Moisés, recebe do Senhor graça e misericórdia para estar diante do Eterno. Esta nova posição não era apenas natural diante de todo o povo, mas também espiritual, diante do próprio Deus. Se esta é a condição do ‘ebed, imagine a grandeza daqueles que em vez de δούλος (doulos), servos, escravos, são chamados de φίλους (philos), amigos íntimos (Jo 15.15). Josué foi alçado ao nível da intimidade.



Nesta vocação Deus anima a Josué para a árdua tarefa de conduzir o povo à conquista de Canaã, “dispõe-te”, do hebraico qûm, literalmente quer dizer “ergue-te”, “fique em pé”. Embora não esteja explícita a forma como Deus falou com Josué... Todavia, o imperativo categórico pode ser entendido tanto como uma ordem expressa para “levantar” o acampamento rumo à Canaã, como também referir-se à postura física de Josué. Prefiro entender uma relação estreita entre essas duas possibilidades, como um oráculo por ação: levantando-se Josué, o povo “levanta” o acampamento e segue sua marcha triunfante, como ocorre em 3.1: “Levantou-se, pois, Josué de madrugada, e partiram de Sitim”. O versículo 2 parece corroborar com nossa interpretação: “passa este Jordão, tu e todo este povo”.Talvez Josué estava prostrado no momento em que o Senhor falava com ele. O mesmo vocábulo é usado na forma imperativa em 3.6 “levantai a arca”. Josué recebeu sua vocação e missão no instante em que estava prostrado diante do Senhor. Prostrado diante do Senhor é a melhor posição para marchar e seguir em frente.



É nesta simples, mas significativa posição, que o Senhor faz promessas ao seu ‘ebed: “Todo lugar que pisar a plante do vosso pé, vo-lo tenho dado” (v;4). Aqui, o sentido do hebraísmo 'pé', como ocorre em muitas outras passagens, é de posse, de vitória.



Por esta razão: “Ninguém te poderá resistir” (v.5). No original, “resistir” é yātsab, ou seja, “posicionar-se contra”; “ficar oposto a”, por extensão, “opor-se”, “oprimir”. Em Números 22.22, o termo é usado para descrever o Anjo do Senhor que se “pôs no caminho contra Balaão”, ou como em 1 Samuel 17.16, a atitude soberba e presunçosa de Golias que se colocava contra o exército de Israel. Nenhum inimigo canaanita permaneceria diante de Josué e seu exército.

Aos ouvidos do grande líder, a promessa divina soava como uma sinfonia beethoviana: “Não te deixarei”. Do hebraico rāpâ, o verbo “deixar” é ipsis verbis “afundar”, “deixar cair”, “desanimar”. Enquanto Josué se erguia, o Eterno lhe falava: “Não te deixarei afundar, desanimar, cair”. A Septuaginta (LXX) traduziu a expressão por “Eu não te deixarei em apuros”. “Nem te desampararei”, do hebraico ‘āzab, “desamparar” é “abandonar”, “deixar desolado”.



O verbo hebraico no grau ativo atesta a segurança com a qual o Senhor falava e Josué ouvia. Deus jamais o abandonaria; Josué jamais estaria desolado. Apesar da incompreensão do povo, o Senhor estaria com ele em todas as horas e momentos. Mas a promessa de Deus ao líder também exige força, determinação e vontade: “Sê forte” (v.6). No hebraico, chāzāq além do sentido de “forte” quer dizer “esforçar-se”, como em 23.6, mas também “endurecido”, “severo”. Provavelmente a referência é a “ser forte em combate”, “demonstrar coragem”, enquanto o coração de outros se derretem, portanto, “Sê forte e inflexível”.


... QUEM ESTÁ NO MESMO ESPÍRITO VERÁ ESTA MUDANÇA DESTA FORMA E ENTENDERÁ O PROPÓSITO!
MAIS UMA VEZ: SEJA BEM VINDO, PR. JAIRO,'EBED' DE DEUS!

0 comentários:

Área reservada aos pesquisadores de plantão

Devemos ser pais

Vídeos que edificam

Loading...

Seguidores

Artigos que encontrei

O sentimento patriótico
A Educação do Patriotistmo
Patriotismo - auto-avaliação das virtudes humanas
Levantar o ânimo das pessoas
A desordem moral e a desmotivação na escola
Amamentação dos bebês e saúde bucal
A liberdade como superação
Theatro Municipal do Rio de Janeiro - Cem anos de história - Entrevista com a Primeira Bailarina – Ana Botafogo - Por Wellen de Barros
A III Guerra Mundial
Luta contra as drogas, de Fábio Henrique Prado de Toledo na Coluna "Assuntos de Família"
Estudo mostra que televisão limita o diálogo entre mães e filhos
Casamentos arruinados - Estudo detalha os altos custos econômicos do divórcio
Quem tem medo de amar?, de Floriano Serra na Coluna Crônicas da Vida a Dois
As dimensões da sexualidade, de André Gonçalves Fernandes na Coluna "Lanterna na Proa"
Brasileiro cria técnica para criar modelos de feto em 3D a partir de imagens do ultrassom
A verdadeira mãe workalcoolic
Artigos recentes
A importância do Pai - II
A geração profissional pós-crise: Novo desafio na gestão de pessoas
Veja um vídeo muito legal sobre Bodas de Casamento
Os responsavéis pela educação, por João Malheiro
Uma nova seção em nosso Portal: Família & Educação
Por uma renovação cultural, de Eduardo Gama na Coluna "Poemas e Canções"
11 conselhos para ensinar as crianças a pensar
Liberdade e Dor, de André Gonçalves Fernandes na Coluna "Lanterna na Proa"
A mágica do tempo
Amor e Chantilly, de Floriano Serra na coluna Crônicas da Vida a Dois
Os filhos e as brigas dos pais, por Fábio Henrique Prado de Toledo na Coluna "Assuntos de Família"